Início / Ênio Fly / Dólar fecha semana de recorde com 2ª queda seguida: R$ 3,97

Dólar fecha semana de recorde com 2ª queda seguida: R$ 3,97

dolar-real

Em mais um dia de sobe e desce e novas intervenções do Banco Central, o dólar emendou a segunda queda consecutiva e fechou esta sexta-feira abaixo dos R$ 4, assim como já tinha ocorrido na véspera, e está cotado a R$ 3,976 na venda.

Apesar de mais uma queda, a semana foi agitada para o câmbio, já que a moeda americana atingiu na quarta-feira a maior cotação da história do Plano Real, a R$ 4,14. No acumulado da semana, avançou 0,44%. Já no mês, tem valorização de 9,61% e no ano, de 49,54%.

Na véspera, o dólar teve mais um dia de forte volatilidade e chegou a superar os R$ 4,20. Porém, novamente com intervenção do Banco Central, que informou por meio do presidente Alexandre Tombini que poderia vender no mercado dólares das reservas internacionais à vista, operação que não é feita desde 2009, baixou e fechou o dia vendido a R$ 3,99. A venda direta, no entanto, ainda não foi feita.

Já nesta sexta, abriu o dia em queda e chegou a registrar R$ 3,89 às 9h19 (de Brasília), mas a moeda voltou a subir até atingir R$ 4,006 por volta das 11h. No resto da sessão, o dólar oscilou, mas sempre abaixo de R$ 4.

No cenário interno, o Banco Central (BC) voltou a intervir no câmbio. A autoridade monetária vendeu 40 mil contratos de swap cambial (que equivalem à venda de dólares no mercado futuro) em dois leilões e renovou mais 9,45 mil contratos que venceriam no próximo mês. Além disso, o BC vendeu US$ 1 bilhão das reservas internacionais com compromisso de recompra, em que o dinheiro volta para o BC em algumas semanas.

No cenário internacional, o principal fator que impediu que o dólar caísse ainda mais foi a divulgação de que o governo norte-americano revisou, de 3,7% para 3,9%, o crescimento anualizado do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas) no segundo trimestre.

O bom desempenho da produção norte-americana indica que o Federal Reserve, Banco Central do país, pode aumentar os juros da maior economia do planeta antes do fim do ano. Taxas mais altas nos Estados Unidos atraem recursos de todo o planeta para títulos do Tesouro norte-americano, considerados o investimento mais seguro do mundo. Mas acarretam a retirada de capitais financeiros de países emergentes, como o Brasil.

Confira também

Após fim de noivado de Marília Mendonça, fãs estão na expectativa de ‘novo hino da sofrência’

Os fãs de Marília Mendonça estão na maior expectativa para os próximos lançamentos da cantora ...

Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown anunciam novo álbum dos Tribalistas e mostram quatro inéditas

Os Tribalistas estão mesmo de volta. Em 2016, alguns burburinhos davam indícios da retomada do ...

Saiu a ganhadora da Promoção “Churras do Velho”!

  Foi realizado hoje de manhã na programação da 88 FM, o sorteio da promoção ...

Russo põe filho bebê em risco em troca de ‘likes’

Um homem identificado como Roman R postou na web vídeos em que aparece pondo o seu ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *